segunda-feira, 8 de outubro de 2012

“Geraldo Vandré – a vida não se resume em festivais”: de Dalva Silveira





“Geraldo não foi preso nem foi torturado. Mas para um cara como ele, se lhe tivessem arrancado três unhas, dado choques elétricos, teria sido menos grave do que a castração de seu espaço artístico. O exílio para Geraldo foi enlouquecedor. O Geraldo era fruto de uma vontade ferrenha de ser um artista popular, no sentido de reformular as expressões culturais do povo e entregá-las de volta. Deu a vida dele para isso, entregou-se totalmente à sua arte.”

(Depoimento de Nilce Tranjan, primeira esposa de Geraldo Vandré a revista MPB Compositores)

 

Geraldo Vandré é um mistério. Ganhador do primeiro lugar no II Festival de Música Popular da TV Excelsior, em 1966 com “Porta Estandarte”, parceria com o maestro Fernando Lona, até a consagração com o segundo lugar no III Festival Internacional da Canção, com “Pra não dizer que não falei das flores”, no qual Chico Buarque e Tom Jobim venceram embaixo da vaias com a belíssima “Sabiá”, também política, porém pela letra mais metaforizada, não teve entendimento do público. A perseguição e o exílio, depois a volta e o ostracismo, voltando a ser apenas o advogado Geraldo Pedrosa de Araújo Dias. Dono de uma sensibilidade humanamente artística, compôs canções para a MPB (ele nunca aceitou a posição de cantor de protesto) como “Disparada” parceria com Théo de Barros, empatada em primeiro lugar no II Festival de Música Popular Brasileira em 1966, com uma emocionante interpretação de Jair Rodrigues; antes, em 1965 havia composto a trilha sonora do filme “A hora e a vez de Augusto Matraga” , do diretor Roberto Santos, baseado num conto de Guimarães Rosa, Vandré fez história e desapareceu, deixando uma lacuna enorme no tempo e na história da nossa Música Popular Brasileira.

E justamente para suprir a falta de algo mais acessível ao público sobre o compositor, a escritora Dalva Silveira lançou pela Fino Traço Editora o livro “Geraldo Vandré – a vida não se resume em festivais”.

Neste estudo sobre Vandré, a escritora desnuda a figura mítica de artista, porém com um profissionalismo ao extremo, sem deixar transparecer sua opinião pessoal, deixando que o leitor tire suas próprias conclusões.

Dalva diz que escolheu o tema em função de motivações pessoais – é admiradora da música de Vandré, que ouvia em casa quando criança – e da possibilidade de dar a elas um âmbito mais amplo, político, histórico e social. “Sempre me tocou muito a música do Vandré, e também os boatos, depois que ele voltou do exílio, de que estava louco, tinha sofrido lavagem cerebral. Quando entrei no curso de história, na UFMG, me reencontrei com aquele período e quis falar dele, a partir do Vandré”, aponta.

O titulo veio do famoso discurso de Vandré sobre as vaias a música “Sabiá” de Chico e Tom, o qual é reproduzido no livro. Vejamos abaixo:

“Olha, sabe o que eu acho? Uma coisa só... mas Antonio Carlos Jobim e Chico Buarque de Holanda mereceu nosso respeito (aplausos). A nossa função é fazer canções. A função de julgar, neste instante, é do juri que está ali (vaias)... Um moment! (mais vaias, longas)... Por favor, por favor, (mais vaias)... E tem mais uma coisa só. Pra vocês, pra vocês que continuam pensando que me apoiam vaiando. (“É marmelada, é marmelada, é marmelada”) Olha tem uma coisa só. A vida não se resume em festivais.”

Para escrever seu livro, Dalva Silveira analisou 68 matérias de revistas e jornais publicadas entre 1966 e 2009 e se propôs a descobrirm até que ponto a imprensa brasileira contribuiu para a construção do enigma em torno do compositor. Para a escritora, a imprensa contribuiu sim, para a criação do imaginário sobre a vida pós “Caminhando” do compositor Geraldo Vandré. Entretanto esses fatos o transformaram em mito.

Geraldo Pedroso de Araújo Dias Vandregísilio  nasceu em 1935, em João Pessoa, na Paraíba. Adotou o nome artístico de Geraldo Vandré em homenagem ao seu pai, José Vandregísilio. Começou a carreira na década de 1960 e ficou famoso por canções  como “Disparada”, “ Porta-estandarte”  e” Pra não dizer que não falei das flores”, que se tornou hino contra a ditadura militar. Foi obrigado a deixar o país em 1969. Quando voltou, parecia demonstrar novas opiniões em relação à política. Deixou de criticar os militares e fez a música “Fabiana” em homenagem à Força Aérea Brasileira (FAB). Abandonou os palcos e se transformou no enigma da MPB.

Dalva Silveira é natural de Belo Horizonte\MG. Graduou-se em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e concluiu a sua especialização em Ensino Técnico, pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET\MG). Posteriormente, defendeu o seu mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC\SP). Atualmente é funcionária da Rede Particular de Ensino de Belo Horizonte\MG.

“Geraldo Vandré – a vida não se resume em festivais” é um livro necessário para quem quer conhecer melhor uma boa parte da história da nossa MPB, para quem admira Geraldo Vandré e mais urgente ainda, para quem precisa aprender a compreender o ser humano com todos os seus erros e acertos.

Contatos com a autora: dalvasilveira@yahoo.com.br – (31) 9745.6939.

6 comentários:

  1. Muito interessante. Realmente Vandré é um mito,fala-se muita coisa sobre ele,comenta-se muito,mas ninguém sabe nada de verdade..O livro vem em boa hora em que se discute aquela época da nossa história..gostei do seu blog.Abraços

    ResponderExcluir
  2. “IX CONCURSO PLÍNIO MOTTA DE POESIAS”

    A Academia Machadense de Letras (Machado-MG / Brasil) comunica a realização em novembro de 2013 de seu IX Concurso de Poesias. As inscrições encerram-se no dia 14 de outubro (2013). Para receber gratuitamente o regulamento em arquivo PDF, entre outras informações, favor entrar em contato através do e-mail: machadocultural@gmail.com

    Obs (PS): O tema é livre e aberto a todos de Língua Portuguesa e Espanhola e a taxa de inscrição é de R$5,00 pode ser enviada dentro do envelope.

    Favor verificar o recebimento do regulamento em pdf e jpeg.

    OBS: ESTAREI AQUI PARA TIRAR SUAS DÚVIDAS.

    ResponderExcluir
  3. O Brasil está órfão de intelectuais que de alguma forma proteste, se manifeste de forma a mostrar caminhos para esse povo, inculto e carente de ídolos. Como foi personagens tipo Geraldo vandré.

    ResponderExcluir
  4. Estamos carentes de cantores como Geraldo Vandré que Deus o abençoe em nome de JESUS!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Show Caminhando e Cantando com musicas de GERALDO VANDRÉ e inéditas em parceria com ALQUIMIDES DAERA / OUVIR www.palcomp3.com/alquimidesdaera

    ResponderExcluir
  6. Show Caminhando e Cantando com musicas de GERALDO VANDRÉ e inéditas em parceria com ALQUIMIDES DAERA / OUVIR www.palcomp3.com/alquimidesdaera

    ResponderExcluir